quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Um tiro no porta-aviões

Incompetência? Imprevidência? Erro estrondoso? Exploração mediática? Tudo junto? Talvez seja, mas a coincidência da decisão do papa de levantar a excomunhão que impendia sobre quatro bispos da integrista Fraternidade S. Pio X com as declarações negacionistas e anti-judaicas de um desses bispos não podia ter trazido piores efeitos. A ponto de raramente se ter visto, na Europa e na América, uma tal agitação e incómodo (se não mesmo descontentamento) com uma posição da Igreja. Assim como raramente se terá visto uma tal multiplicação de posições de reafirmação da posição oficial do Vaticano acerca do holocausto, desde o papa a vários cardeais de grande destaque na Cúria, como tem acontecido há mais de uma semana, a um ritmo quase diário.
É interessante notar que o bispo em causa, que entretanto pediu desculpa pelas declarações que fizera (antes do levantamento da excomunhão), nunca negou o que tinha declarado, mas apenas se disse arrependido dos problemas causados a Bento XVI.
Os estragos da medida da Santa Sé não são despiciendos, incluindo dentro da Igreja Católica.
É caso para perguntar que unidade da Igreja quer Bento XVI refazer. A medida tomada acabou por ser um verdadeiro tiro no 'porta-aviões' da própria Igreja.

1 comentário:

joao disse...

Outro tiro, mas que não foi muito divulgado por cá, foi a "promoção" a Bispo de um Padre austríaco que afirmou que o furacão Katrina tinha sido castigo de Deus à cidade "pecadora" de New Orleans.

http://www.guardian.co.uk/world/2009/feb/02/pope-controversial-austrian-bishop