quinta-feira, 10 de setembro de 2009

A fé e a crença

“Há uma oposição capital entre a fé e a crença. O que está mais afastado da fé, no sentido evangélico, é a crença, no sentido banal, que não suporta a critica, enquanto que a fé apenas a pode desejar. […] A palavra de Jesus é, permanentemente, uma crítica da religião. Ele não opõe a verdadeira religião à falsa, Ele habita a tradição judia e é nesta tradição que faz emergir a verdade da verdade, desfazendo esta última de tudo o que a pode ocultar, falsificar ou perverter”. Quem o afirma é Maurice Bellet, sacerdote, etc., numa entrevista que a revista Le Monde des Religions publica no número de Setembro-Outubro e que pode ser lida aqui.

1 comentário:

Mcap disse...

Violência Absoluta... Esta entrevista de M.BELLET deixa-nos pensativos sobre o que de facto está em jogo na dita «normalidade» da nossa vida quotidiana. Interroga concerteza a forma displicente como muitas vezes reflectimos (ou não) sobre a(s) nossa(s) forma(s) de vida. E como, se nos limitamos à crença, seja ao nível do communmente chamado religioso, seja ao nível da educação, seja ao nível do nosso viver em sociedade, participamos em formas menos humanas de vida. Li estas férias o livro deste autor "Le Dieu sauvage" (interessantíssimo) que abre caminho para o que me parece que ele quer dizer com a «violência absoluta» Dá que pensar...
Obrigado por ter colocado aqui esta entrevista