terça-feira, 3 de novembro de 2015

Padre Leonel Oliveira (1934-2015): testemunha do Evangelho

In Memoriam

      
«Desde o meu curso de Teologia que me sinto devorado pelo desejo de tudo saber, o que se passa, o que se pensa, o que se diz. Foi a Teologia que me despertou para o Mundo, e desde então abri todas as janelas que pude, apesar de viver num pequeno país periférico e numa Igreja de trazer por casa, Igreja que está em Portugal e que nunca desprezei mas a que nunca me limitei, Igreja que amei com o maior amor que tenho para lhe dar, mas por quem nunca me deixei domesticar.»

As palavras são do P. Leonel Oliveira, um justo e um profeta que foi hoje a sepultar, depois de, ao longo dos seus 81 anos, ter sido uma testemunha do Evangelho. Praticamente no início do seu ministério, foi enviado para a periferia do Porto, uma zona de missão, mergulhando no meio de gente simples e lançando, desde a primeira metade dos anos 1970, a semente de uma comunidade acolhedora, no Padrão da Légua. Não foi bem recebida esta ousadia (ver AQUI a enunciação do projeto que a animava) pelos responsáveis diocesanos, por membros do clero e mesmo por alguns membros da população.

Dedicou-se, depois, ao trabalho operário, numa cooperativa de mobiliário, em Sobrado, Valongo, a que se seguiu a opção por ir viver em pleno coração do Bairro da Sé, na zona histórica do Porto. A Viela do Anjo e as iniciativas a partir desse espaço lançadas visaram ajudar a população local a assumir com autonomia e determinação a luta contra a degradação socioeconómica e moral e por condições de vida dignas.

Já antes colaborara com a experiência de catecumenato na Comunidade Cristã da Serra do Pilar, uma referência eclesial que emergia na outra margem do Douro. Viria a assumir, em meados dos anos 90, por solicitação do bispo diocesano, a responsabilidade pelo Centro Catecumenal do Porto, um espaço de iniciação e de formação de cristãos adultos na fé e na participação na vida da Igreja e da sociedade, que teve por base a capela de Fradelos, no coração da Cidade Invicta.

Um homem atento, culto, despojado e disponível, de uma grande vivência espiritual, foi um testemunho marcante por onde passou. 

Seria de todo o interesse reunir e publicar muito do que escreveu.

Alguns textos do (e relacionados com a ação do) P. Leonel Oliveira:

Texto anterior no blogue
Todos-os-Santos: Santidade para quem - crónicas de Vítor Gonçalves sobre os textos da liturgia

3 comentários:

antonio janela disse...

Dos contactos que tive com o Pe. Leonel guardo uma viva recordação: foi realmente um profeta que nos interpelava! Que o justo viva agora na plenitude que testemunhou pela palavra e pela acção!
Pe. António Janela

Anónimo disse...

O Pe. Leonel foi uma pessoa que marcou imenso a minha geração, pelos bons motivos, ajudando a reflectir e a viver a igreja e o mundo, seguindo o curso da sua acção e do seu fluido pensamento que se desenvolvia como árvore que estendia os ramos em inúmeras direcções. Foi um revolucionário santo e foi um privilégio tê-lo conhecido.
manuela biltes

Manuela Carvalho disse...

O Pe. Leonel foi uma pessoa que marcou imenso a minha geração, pelos bons motivos, ajudando a reflectir e a viver a igreja e o mundo, seguindo o curso da sua acção e do seu fluido pensamento que se desenvolvia como árvore que estendia os ramos em inúmeras direcções. Foi um revolucionário santo e foi um privilégio tê-lo conhecido.